25 de novembro de 2009


AMORES VIRTUAIS
Jenário de Fátima


Não brinque com amores virtuais
Eles são como todos os amores,
Provocam as mesmas mágoas, mesmas dores
Daqueles que chamamos de normais.

Estes porém machucam ainda mais,
Pois nunca se dividem os cobertores,
Dos beijos não se provam os sabores,
Nem vão-se pelos ímpetos carnais.

Mesmo assim, quando este amor se acaba
Os dias perdem o brilho, a alegria,
Parece que ao redor tudo desaba.

E a solidão ao cúmulo se revela;
Chorar-se um frágil amor que só se havia,
Na fina transparência de uma tela.

2 comentários:

  1. Este poema é especialmente lindo!!!
    Que, mensagem tocante!!!
    bjs poeta!!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com a Moça. Este poema é maravilhoso.

    ResponderExcluir